quarta-feira, 25 de agosto de 2010

12.


- Sabes do que é que eu tenho medo, realmente?
- De quê?
- Não quero que contes a ninguém.
- A minha boca é um túmulo.
- Tenho medo. Tenho medo que apesar de todos estes meus sentimentos, que são bem fortes por sinal, não passe de uma pessoa sem coração. De uma pessoa sem qualquer vestígio desse músculo.
- Bem... Não seria nada de que eu não estivesse á espera. Quero dizer, que tu fosses cruel ao ponto de abusares de mim para o teu próprio gozo. Para satisfazeres esse teu gozo doentio.
- Definitivamente, ajudaste-me imenso.

1 comentário:

Marisa disse...

es fantastica. esta lindo, parabens