quinta-feira, 9 de setembro de 2010

25.


- Apaixono-me diariamente.
- És feita de pedaços de amor. Ao acordar reinventas cada um deles, como se de um puzzle prestes a ser descoberto se tratasse.
- Quem? Eu? Não. Nunca. Não sou dada a essas merdas.
- Então não te percebo. Não percebo toda essa tua pseudo-paixão.
- Simples. Chamo-lhe amor próprio. Amor próprio em demasia. Todas as manhãs, quando me olho ao espelho, apaixono-me pela figura que este transparece.

1 comentário:

Marisa disse...

Amei amei. Parabéns!