terça-feira, 23 de novembro de 2010

Wake-up Cinderella


Odeio que ponham em causa os meus sentimentos. Que ponham em causa o que sinto por este ou por aquele. Juro que odeio. Há gente que se assemelha a burros. Nem mais. Têm o campo de visão cercado por duas enormes palas. Os horizontes demasiado reduzidos. E por isso é que acham que gostar, gostar só mesmo eles é que gostam. Todos aqueles que sentem de maneira diferente, não sentem. Isso mesmo. E detesto pessoas assim. Detesto porque de facto, no que toca a sentir, sinto tudo de uma forma muito minha. Sentimos todos de uma forma muito nossa, não é? E não é por não o estar sempre a colocar em palavras que o vou deixar de sentir. Não. De todo. E esta malta esquece-se disso. Esquece-se que nem toda a gente mostra que gosta de um alguém sendo sua sérvia para o resto da vida. Acatando todas as ordens impostas pelo amado. E justificam tal comportamento demente e cheio de falta de personalidade com o gostar. Mas digo-vos, em primeirissima mão, gostar não é isso. Antes de partilhar qualquer sentimento com os demais, temos de o fazer connosco próprios. E quem obedece a pedidos sem qualquer nexo por parte do seu querido, não tem qualquer amor-próprio. Não o pode ter. E digo-vos, continuar a alimentar uma pessoa que nos impede de viver não é gostar demasiado dela. Tão pouco amá-la. É somente não gostar de nós mesmo. E é isso que a população feminina tem de começar a entender. Tem mesmo. Porque machistas... Esses hão-de sempre existir.

5 comentários:

Gone Monteiro disse...

Olha que não acho que seja um problema meramente feminino. Eu por exemplo compreendo perfeitamente o que aqui relatas, também não gosto de exprimir tudo o que sinto por palavras, o que não implica que não sinta. Simplesmente só faço transparecer aquilo que quero, na quantia certa, a quantia que eu quero.

ritab. disse...

gosto tanto da forma como escreves.
maria, lembras-te de umas férias de verão que passas-te no algarve à uns anos? não te deves lembrar, possivelmente. mas eu lembro-me de ti :)

Gone Monteiro disse...

Ahahah, é normal que soe a algo que tu dirias, porque enquanto tu tens uma personalidade típica de capricórnio, capricórnio mais típico que eu não há. Ou seja, o que para muitos é defeito nós consideramos qualidade: controlar os sentimentos, ou, pelo menos, a maneira como escolhemos não os expor, ou expor na altura/quantidade certas, pode ser bastante favorável ;)

rapariga disse...

Sabes, eu já fui essa serva, essa pessoa sem amor próprio, comandada por um homem. Não que ele fosse mau ou não me amasse, muito pelo contrário. Mas eu era do género de "vamos fazer o que queres e não o que me apetece". Mas a culpa era inteiramente minha. Agora não, mudei, sou outra. Por isso sei do que falas. Nunca, em momento nenhum devemos ser apenas as comandadas de ideias que não partilhamos. Fortes, independentes. E isto que não se aplique apenas a mulhere...
Beijinho e gosto do que escreves.

Marisa disse...

as tuas palavras são a tua personalidade. fantástico.