domingo, 5 de fevereiro de 2012

164.



Há dias que são abismos profundos entre mim e o mundo. 
Desalinham-se os cabelos, quebram-se os ossos pela inconstância sentimental 
e eu vejo-me obrigada à diluição de espírito. 
Não me voltes a escorregar do peito 
que me dói muito sonhar 
com todas estas ligaduras presas ao espírito.

Margaret, 12 De Março, 1985

3 comentários:

Ligações disse...

Sonhar não me doi, mas acordar... custa um cadinho

inês disse...

Maria, tenho de levar um poema para um ensaio de teatro, deixas-me levar este?

liliana disse...

dói não ter
dói ainda mais pensar em não ter