quarta-feira, 7 de julho de 2010

4.

Tinhas o poder da fala através de gestos. Gestos de sabor agridoce – suaves e duros - instintivos acima de tudo. Crias no poder corporal. Como se de vocábulos jorrados na tez se tratasse – pequenos pedaços minuciosamente desenhados sobre a tua delicada membrana.
Mas hoje… Hoje não passas de um amante das palavras. Exacto. Um galanteador de palavras - meticulosamente decoradas e ensaiadas. Previamente estudadas e arrumadas, para que os seus efeitos secundários sejam ainda mais destrutivos – flechas cravadas no coração a velocidades estonteantes. Eras dono de um olhar fulminante – poderoso e penetrante – completamente destrutivo á passagem. O brilho cintilante deu-me a conhecer essa fome inaudita de permanecer no pódio – lugar só conseguido através de trejeitos aliciantes. Ambos sabemos que já não és mais dono desse espaço - concebido pela força das palavras ditas no silêncio de um gesto – que fizeste questão de afastar. Agora és uma marioneta do mundo oral. És prisioneiro de todos os significados e sinónimos. A espontaneidade não mora mais em ti.

Os gestos falam mais alto do que as palavras. Quer queiras. Quer não.

7 comentários:

Tiago disse...

o ser humano começou e evoluiu pelos gestos. as palavras sao subjectivas, os gestos sao rapidos e coerentes, os gestos formam palavras, as palavras destroem gestos. como sempre concordo com a tua opiniao. escreves cada vez melhor e nao ha mais nada pra dizer, simplesmente, parabens

Vânia Macedo disse...

É aliciante a forma como deixas o texto desenvolver e crias algo fantástico.
Parabéns, adoro os teus post's! (:

Gabriela disse...

Gestos. E matam, matam, matam, matam mais que palavras.

(un)real disse...

Incrível. Realmente incrível, como alguém tão belo consegue exprimir-se através de palavras de uma forma tão subtil. Adoro.
kitty xD

Margarida Monteiro disse...

Dás um sentido a um texto que poderia que não fazer sentido. As tuas palavra movem-se com significados e sentimos a necessidade de as voltar a ler e reler. Sentimos o cérebro a fervilhar para tentar encontrar o significado que as encaixa umas nas outras. Como sempre, uma palavra simples de se exprimir. Parabéns.

Vou apagar o meu blogue. Sinto que já não é o que era e já não tenho tempo para o moldar. Vou continuar a ver os textos e a dar votos de críticas se ele precisar. Na verdade, críticas são sempre construtivas.
Desculpa qualquer coisa, sei que até gostas de ler os meus textos como eu adoro ler os teus.
Despedida, beijinhos da Gui

Margarida Monteiro disse...

Não é uma coisa que em mim queira mesmo fazer, porque era uma coisa que me começava a preencher, que me permitia deitar para fora uma história que me deixavam a pensar no fim. Conheci melhor algumas pessoas, aqui, o seu lado poeta, tolo e aberto. Conheci-te melhor a ti.. Percebi que temos ideias muito semelhantes e juntas, uma mente muito aberta. Somos muito parecidas. Aproximei-me mais de ti aqui. Agora, por um lado quero, por outro não. Sabes que vou acompanhar-te na mesma, mas tu não me vais acompanhar a mim. Para já vou deixar, daqui a uns dias apago. Vou ter saudades do mundo da blogosfera como tu dizes :)
Até parece que estou a fazer um drama só por apagar um blog, mas a verdade é que dentro de mim sinto que é. Vou ter muitas saudades disto

Beijinhos da Gui

Margarida Monteiro disse...

Acabou :)