segunda-feira, 4 de outubro de 2010

71.


Não gosto de intrometidas. Intrometidas que aparentam o que não são. Não gosto mesmo. Aliás, era capaz de as juntar todas num quarto escuro e incendia-lo. Isso mesmo. Invadi-lo com chamas. Chamas por todos os lados. Deixa-lo em cinzas por completo. Quero dizer, não fazem cá falta meninas dessas. Não fazem mesmo. Fazer coisas que já estão feitas não leva ninguém a lado nenhum. É uma perda tempo. Uma perda de tempo e um desgaste emocional. Por isso era mesmo capaz de as deixar a todas desfeitas em cinzas. Porque nunca fui apologista de quantidades. Não. Comigo o que conta é sempre a qualidade. E meninas que andam por aí só para aumentar a densidade populacional não valem de nada. Isso mesmo. Não valem mesmo de nada. Nadinha. Rien de rien.

7 comentários:

Marisa disse...

Amo. Amo mesmo a maneira como tu escreves. Parabéns *.*

Luna disse...

e eu ajudava-te de bom grado.

Vânia Macedo disse...

Obrigada Maria!
Adoro este post! E concordo contigo. Não fazem cá falta mulheres pobres de espírito, intrometidas e sem vida própria.
E tal como tu dizes, o que conta é a qualidade e não a quantidade porque, em termos de quantidade, pessoas intrometidas ultrapassam o número de pessoas de qualidade! E poucos são os que transitam de quantidade para qualidade!
Enfim, somos obrigados a ser tolerantes num mundo que não merece a nossa tolerância.
Ah, e parabéns, pela centésima vez! (:

Diana Ferreira disse...

Adorei Maria *.*
Cada texto mais bonitoo :D

Patrícia Costa disse...

adorei o blog!

Diana Ferreira disse...

Lá nisso é, escolher os nomes é sempre a parte mais difícil. Exacto, pipa é bonito.
Agora estou indecisa entre vários nomes, mas veremos a que conclusão chegar. Obrigada Maria [:

Mystic Mood disse...

É um facto.
*