sábado, 3 de março de 2012

170.



As costuras começavam agora a descoser-se, fio a fio, e eu chorava porque as valsas de coração estavam prestes a terminar, deixando-me completamente só nesse espaço gasoso de não te ter sonhado na noite anterior. Sabes, ainda hoje me dói muito saber que fiquei ali, engolida no abismo que são os pontos finais. As horas começaram a cair umas em cima das outras, iguais, sem estremecer, por já tudo ter estremecido. Escondias a cara por detrás de um pano florido - que sempre me lembrou Primavera e dias que nos chamam de meu amor - e enquanto me afagavas os cabelos, eu continuava a soluçar. Às vezes dói muito quando o mundo faz de nós casa. 

6 comentários:

ana minhalma disse...

love it

nés, disse...

hoje preciso de ti. por nada em especial, preciso só de te sentir aqui ao meu lado. e consigo encontrar-te sempre, meu pássaro.

nés, disse...

Era uma vez uma menina, tão grande tão grande que as pontas dos dedos dela tocavam nos cantos do mundo. os dias eram-lhe difíceis, mal se conseguia mexer e dormir era um tormento (tinha de ficar muito quietinha, para tentar não esmagar ninguém). a menina vivia muito solitária, não tinha amigos porque sempre que tentava falar com alguém acabava sempre por sem querer a aleijar, até que um dia conheceu um pássaro que engraçou com os seus jeitos brutais. a menina tinha muito cuidado para não fazer mal ao pássaro, e achava que estava a fazer um bom trabalho. (na verdade, era o pássaro que voava sempre que via que a menina lhe ia acertar acidentalmente). o pássaro via como ela era infeliz neste mundo de gente pequena, então um dia falou-lhe de um planeta, tão longe que nunca ninguém lá esteve nem ouviu falar dele. A partir desse dia, nunca mais ninguém ouviu falar da menina ou do pássaro que ela nunca aleijava, e o mundo nunca mais tremeu. mas se encostares o ouvido ao céu e ficares muito quietinha durante um bocadinho, juro que consegues ouvir o riso de uma criança.
(não sei bem qual é a moral da história, talvez nem a tenha. espero que te faça sonhar um bocadinho.)

nés, disse...

ficaram, pois claro que ficaram. foram tão felizes que a menina ficou ainda maior, e passaram a ocupar dois planetas inteiros. só para eles.
és-me muito. um passarinho que não consigo guardar nas mãos de tão grande que é, mas que voa pelo meu mundo com uma graciosidade tremenda.

Emmeline disse...

Às vezes dói tanto. gosto de ti.

nés, disse...

nunca és chata. pareces estar sentada como uma criança, a atirar migalhas à minha alma. e ela normalmente anda muito esfomeada, por isso obrigada, por seres um tesouro.