quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

94.



- És uma mera apaixonada. Apaixonada de desamores cravados no coração. De estilhaços de alma em forma de uma palpitação. E é isso que tu és. Uma mera apaixonada. Apaixonada de cacos de músculo encarnado nas mãos. De aversão. Aversão rendida à perdição. E isso és tu. Assim desse jeito. Muito tu. Sempre tu. Tão tu. Apaixonada. Sempre apaixonada por desafeição. Por mim. Por ti. Por ninguém.
- De crimes passionais impregnados no coração, amo. Sempre ao meu jeito. Nunca ninguém percebe este meu amor. Este meu amor de pedras coladas ao coração.

7 comentários:

Marta disse...

cá o meu, abre, fecha, abre fecha. nunca sei, por isso decidi ignora-lo por enquanto.

watashinokosumosu disse...

Thanks sweetheart, keep posting!

Patrícia Costa disse...

és fantastica. Maravilhas o meu 'eu'. Essa forma de 'maria' que eu tanto adoro.

jagga nathan кешин disse...

Maria, devias ser considerada crime. Proíbiram a heroína mas esqueceram-se de ti.

é que a heroína bem guardadinha pode durar anos

não se esqueceram o tempo descriminaliza todas as marias

simplesmente maria

Marisa disse...

exacto, nunca ninguém percebe este amor. nunca.

Cristina Sá Lima disse...

ahahah, acredito que sim! mas, a cara dela, tipo... nháca. eu sei, é diferente e coisas, mas...
não sei, não encaixa bem, tem zonas faciais bonitas mas não estão... meh.

Vânia disse...

Eu é que fico encantada ao ler estas coisas , como me identifico tanto com o que dizes . Vomitas as palavras dum jeito tão singular , desta forma dão logo um ar do teu nome , estes textos maravilhosos e ácidos para corações , não é ? és linda !