quinta-feira, 14 de abril de 2011

122.


Às vezes - disse-lhe ela - às vezes sinto o coração a saltar-me do peito. E sei que a culpa é sempre tua. As nossas almas, meu amor, essas provocam ricochetes uma na outra. Juntas são sentimentalmente elásticas e contorcionam-se em cada abanão emocional. Acho que no fundo, no fundo gostam uma da outra. E eu não sei o que a minha vê na tua, e também não sei o que a tua vê na minha. Mas a verdade é que sempre que se olham, fundem-se em tons algodão-doce e amam-se como se nada mais neste mundo existisse. E eu gostava de te poder contar, de entre uma ou outra bofetada, o quão preenchida fico de todas as vezes que me torno um pedaço de ti. E não espero que compreendas, amores como o meu não nascem para serem compreendidos, apenas te peço que me deixes ficar cá hoje. Não me afastes; afasta o medo. Posso estar longe, mas estarei perto, sempre perto, uma gota infiltrando os solos, de ti. E eu prefiro assim: distâncias físicas revestindo histórias de amor, porque os corpos magoam-se, arranham-se e traem-se,mas as almas não.

16 comentários:

branwyn disse...

esse texto demonstra na perfeição a sensação de estar apaixonado :) adoro *

Luís Coelho disse...

Sentimentos contraditórios e muitas vezes em choque sem razões que se justifiquem.

Mafalda disse...

Está lindo querida Maria, apaixonante*

Nádia disse...

ADOREI! :) As almas tem um dialecto só delas...

Laura Ferreira disse...

Gostei.

cárina disse...

Está lindo, lindo. Adoro mesmo, parabéns! :) beijinhos*

Emmeline disse...

Que terapia, maria estrela. acho que era isto tudo que precisava. só ler-te. apenas isso

Por que você faz poema? disse...

No eterno conflito entre corpos e almas, vence quem trafega entre eles.

Maria Francisca disse...

tanto amor :)

é que é mesmo bonita a música.

Vânia disse...

''E não espero que compreendas, amores como o meu não nascem para serem compreendidos, apenas te peço que me deixes ficar cá hoje''
consegues derreter-me seeeeeeeeeempre *

Charmoso disse...

É por isso que eu detesto almas... porque elas são sempre demasiado previsíveis!

beijo com charme

Daniela. disse...

Adoro mil vezes.*

Ana Dória disse...

Os teus registos são daquele género em que me sinto bem a usar o cliché: isto é tão, mas tão bom.
Nem vou dar um parecer meu sobre o que li, não preciso porque o que tu escreves é tão, mas tão bom!

Continua, por favor.

*

Rising Demon disse...

Gosto bastante da última frase. Simplesmente faz todo o sentido

Mars disse...

Um dia vou começar a ler do 1 até ao fim... E não vai ser tempo perdido. Encontro-me em partes do que escreves, e gosto muito da forma como retratas os sentimentos... :)
Sigo e vou continuar, cada vez mais atentamente...

Parabéns ;)

Janete Conceição disse...

gostei muito do que li maria.