domingo, 18 de dezembro de 2011

157.


Fica-te cá, onde a chuva é quente e o chá é sempre banho de alma. Fica-te cá, perto do jardim dos ciprestes, virado para o coração, de onde vês todo o peso das palavras que não disseste. Fica-te cá, perto de mim, entre as estações de ano e as metamorfoses interiores. Fica-te cá... porque quando és longe não me cabes no peito.

5 comentários:

Luís Coelho disse...

Fica-te cá...
Seria bom para ambos, mas mesmo que continues a caminhada a mensagem ficou cá.
Essa sim ... fica sempre entre as estações , a chuva...e muito silêncio...

annie disse...

"Fica-te cá... porque quando és longe não me cabes no peito.", perfeito.

Emmeline disse...

gosto de ti,e destas coisas infinitas sem significado concreto. estas coisas..nossas. gosto de ti. e espero que longe te caiba no peito.

annie disse...

oh, fico tão contente por saber isso <3

Freedom Believer disse...

"Fica - te cá", no que toca gramaticalmente errado, nao me consigo recordar de algo nos últimos tempos que me tenha soado tao bem e feito tanto sentido, fazes bem em não ligar ao supostamente correto e inovares ao teu agrado!
A tua escrita têm - me no mínimo encantado!