segunda-feira, 2 de maio de 2011

125.


- Gostava sempre um bocadinho mais de ti quando eras frágil e fria - disse-lhe ele. Quando eras de movimentos contraídos e tudo parecia envolvido em apatias tuas. Quando ficavas na iminência da queda: um sopro a mais e os cacos estilhaçavam-se no chão. Ohhh, parecias-me sempre tão sozinha orquídea, parecias-me sempre longe daqui. Em todas essas vezes esta casa tornava-se demasiado pequena para um amor como o teu. As paredes fraquejavam e o chão rangia e as doses sentimentais viravam monstros. E talvez, nessas alturas, nem mesmo o mundo inteiro fosse o suficiente para ti. Às vezes tudo parece excessivamente pequeno para ser capaz de acarretar o peso de um sentimento. Porque às vezes, bem, às vezes o muito torna-se incrivelmente pouco.

22 comentários:

Mafalda disse...

Ja tinha saudades de te ler Maria. Gosto sempre da maneira como constróis cada palavras. Esta lindo*

Emmeline disse...

que foto.
oh. sabes, não há melhor recompensa do que acabaste de me dizer. vê-se nos meus olhos, a ternura da tuas palavras que sei que são para o meu bem, de alguma forma.
e sabes... aqui em cima. o problema está na fusão que o amor provoca. é quase impossível que não nos tornemos menos do que aquilo que somos.

Maria Filipa disse...

lindo Maria *

ad disse...

não sei como raio mas identifico-me tanto

Emmeline disse...

e quando disse "nos tornemos menos do que aquilo que somos" não foi, de longe, no sentido de sermos menos, mais pequenos do que somos. mas sim, sermos menos, mais pequenos do que aquilo que julgavamos conseguir ser. passarmos a ser doces. e a gostar. e a ser quentinhas. quentinhas. sem palavras frias. maria estrela. como sempre te disse.

opistia disse...

Adoro as tuas palavras... entendo-as tão bem... the world is not enough... the sky the only limit :)

Lipincot Surley disse...

Começo a ficar impaciente à espera de algum texto de que não goste tanto. Parabéns :)

Já agora, ela cresceu foi? Ou ele mudou?

LS

ad disse...

é verdade sim, apenas acho por vezes isso extremamente estranho, conseguir descrever o que outra pessoa sente mas falando da tua pessoa.

AD disse...

Boa noite :) Gostaria de seguir o teu blog uma vez que gostei muito de o ler, mas não encontro a opção.

Emmeline disse...

Oh querida cor de amor!
A música é um encanto, e não poderia ser de mais ninguém a não ser do meu genial Patrick Watson... the great escape.

ivone silva. disse...

adoroo!

AD disse...

Muito obrigada :)

Maria Santos disse...

escreves taaaaao bem.

Janete Conceição disse...

está lindo maria **

Beatriz Araújo disse...

tenho um professor que diz, "as emoções incham, desinhcham e passam, mas os sentimentos ficam". talvez por isso, por permanecerem, nada suficientemente grande em espaço pode ser comparado à dimensão psicológica deles, e às consequencias que eles acarretam.

ana moura disse...

que doce. muito muito doce

ana moura disse...

obrigada maria, és um doce

Emmeline disse...

estou com saudades de te ver cá

Emmeline disse...

então, se isso de alguma maneira, seja ela qual for, te trouxer a isnpiração ao de cima e sobretudo às palavras, lê-me sempre, para eu matar as saudades de ti mais depressa.

Laura Ferreira disse...

Belíssimo.

Guilherme disse...

flutuar...

Ana Dória disse...

Se tu soubesses o quanto me vejo aqui. Se tu soubesses...
Que prazer sempre voltar aqui*